Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

SBT - Silas Malafaia de frente com Marília Gabriela

divulgação | Verdade Gospel.Com
A foto ao lado circula na Internet. É uma referência para uma entrevista que Silas Malafaia - pastor da Igreja Assemblebeia de Deus Vitória em Cristo -  concedeu para a jornalista Marília Gabriela. Trata-se do programa De Frente com Gabi.

Assim, por cerca de 90 minutos de perguntas e respostas, os telespectadores assistirão Malafaia e Marília Gabriela. O programa irá ao ar por volta de meia noite no próximo domingo - 03 de Fevereiro de 2013, no SBT.

Malafaia esteve na emissora de Silvio Santos acompanhado do Pr. Gidalti, irmão de Jabes de Alencar, e também do apresentador Carlos Massa, o Ratinho, que permaneceram nos bastidores. Segundo informações de sites que abordam a cosmovisão cristã, a pauta da entrevista girou entre abordo e homossexualidade. Com certeza a polêmica matéria da Forbes será mencionada também.

Marilia Gabriela é a jornalista que entrevistou o roqueiro Cazuza, ocasião em que ele revelou que era aidético. Faltava no currículo da jornalista entrevistar Malafaia, pois até o momento só havia sabatinado o pessoal da militância gay. O bom jornalismo sempre ouve os dois lados dos assuntos.

Além do SBT, Marília Gabriela mantém outro programa similar no canal por assinatura GNT.

E.A.G.

Marcela Barrozo interpreta Diná na minissérie José do Egito da Rede Record

divulgação

A Rede Record levou ao ar o primeiro capítulo de José do Egito, na noite de ontem, 30 de Janeiro. A atração teve como destaque a jovem atriz Marcela Barrozo, que interpreta Diná, a irmã de José que sofre violência sexual.

No roteiro, a garota sai de uma festa em que sua família está presente e vai atrás de José e o perde de vista. Seguindo o trajeto sozinha, ela encontra Siquem, filho de Hamor e este comete o abuso sexual. Após isso o rapaz quer reparar o erro casando-se com ela. A cerimônia é realizada segundo a tradição dos judeus. O desfecho disso é trágico, e ficou para o segundo capítulo da minissérie, cuja exibição está prevista para a próxima quarta-feira.

A passagem bíblica que narra esta história encontra-se no livro de Gênesis, capítulo 34.

E.A.G.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

EBD 2013 - 1º Trimestre: Elias, a depressão do homem de Deus

Artigo relativo à lição nº 5, Um Homem de Deus em depressão, com comentários de José Gonçalves. Este conteúdo visa servir de subsídios aos alunos que usam a revista Lições Bíblicas, publicada pela Casa Publicadora das Assembleias de Deus, cujo material é dirigido à Escola Bíblica Dominical (EBD) no período do  1º Trimestre de 2013: Elias e os profetas de Baal. Contudo, o texto é abrangente, serve a todo aquele que deseja meditar sobre o assunto.

O que é a depressão? Depressão é parte de um processo psicológico. é um transtorno psiquíatrico ligado ao desequilíbro das substâncias químicas no cérebro. É mais do que uma simples tristeza, é uma doença que precisa ser tratada. Ela pode ser de origem genética, como também aparecer devido estresse, estilo de vida, alimentação e problemas de ordem pessoal. Causa desânimo, delírio, comportamento autodestrutivo, suicídio.

"Porque tudo o que dantes foi escrito, para nosso ensino foi escrito, para que pela paciência e consolação das Escrituras tenhamos esperança" - Romanos 15.4.

Como homem de Deus, Elias era espiritual, tinha a capacidade de fazer o extraordinário de Deus acontecer, apesar de todos os pesares da limitação humana. As Escrituras Sagradas relatam a fragilidade do profeta tisbita e de outros grandes personagens bíblicos. E através disso vislumbramos que o Senhor está interessado em ajudar os depressivos a superarem a depressão.

Observe como Deus trata o deprimido Elias em 1 Reis 19.5-7: Ele o faz dormir duas vezes e lhe dá dois pratos de comida. Isso o profeta deveria ter feito por si mesmo. Muitos cristãos desabam deprimidos por negligenciar os devidos cuidados necessários quanto às coisas mais essenciais da vida, que são comer e dormir.

É surpreendente a diferença de comportamento de Elias em 1 Reis 18 e 1 Reis 19. Primeiro, um Elias entusiasmado e ousadíssimo demonstra o poder e a grandeza de Deus ao confrontar o rei e 850 sacerdotes pagãos, depois, diante da ameaça de Jezabel, corre assustado e se esconde. O que houve? Talvez o profeta esperasse que diante do fato de orar e descer fogo do céu, tudo mudaria em Israel, a idolatria acabasse e Acabe se convertesse ao Deus verdadeiro. Talvez, a mudança drástica de ânimo aconteceu porque ao invés de ocorrer um grande avivamento, a perseguição passou a ser mais intensa, havia o iminente risco de morrer.

Elias, como ser humano era sentimental, se decepcionou e experimentou a dor da alma,, todas as intempéries da vida. Durante os momentos de conflitos internos, períodos de enorme tristeza, sentiu medo e empreendeu fuga, isolou-se e sentiu comiseração. Em sua solidão e sentimento de autopiedade quis morrer, e descobriu que estava debaixo dos cuidados de Deus (1 Reis 19.3-7; Tiago 5.17-18).

Aprendemos com a expectativa de Elias que apesar de Deus trabalhar em nossas vidas de maneira espetacular, nem sempre a reviravolta que desejamos que aconteça, acontecerá de imediato. Se nos concentramos em determinado resultado rápido, poderemos cair na mema depressão do profeta: sentimento de fracasso, medo e frustração. É preciso ter paciência, ignorar as aparentes dificuldades e enxergar além dos problemas. Não há nenhum erro em querer ver o melhor, mas é necessário tomar cuidado com a espécie de nossas expectativas, pois elas podem levar às grandes decepções.

Nenhum cristão está imune ao desconforto psicossocial. Então, precisa manter o foco na direção certa. Não andamos por vista mas pela fé. Usando a fé  jamais nos esqueceremos que Deus está no controle de tudo (2 Coríntios 5.7; Salmos 103.19; 115.3). Ao manter a confiança que o Senhor é fiel, e descartamos os anseios equivocados, descansamos nas promessas e princípios revelados nas Escrituras Sagradas (Números 13.1-2; Salmo 19.7-9; 93.5; Romanos 4.16-21).

E.A.G.

_________

Consulta:
Bible Org - http://bible.org/seriespage/crisis-elijah-1-kings-194-14
Easy English Bible - http://www.easyenglish.info/problems/tpaou07-pbw.htm
Lições Bíblicas, José Gonçalves, Rio de Janeiro, 2013 (CPAD.

Venha pular o Carnaval comigo

Confira artigos sobre o Carnaval: Belverede

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Processos contra a Forbes

A presente postagem não é defesa de pessoas, é defesa da liberdade religiosa de todos nós, cristãos evangélicos, católicos, etc. O objetivo é refletir sobre ataques à Democracia. Dessa vez, o ataque veio de território estrangeiro.

A cristofobia verde e amarela

Certa vez o Malafaia foi processado porque levantou sua voz contra uma edição paulista da Parada Gay, que saiu na Avenida Paulista usando figuras gays para personificar personagens bíblicos. Um líder LGBT quis processá-lo por ele ter criticado o evento, alegando que a crítica incitava os evangélicos a serem violentos contra os homossexuais. Quando o processo chegou às mãos de um juiz, o juiz simplesmente o rasgou - não quis perder tempo com algo tão insignificante.

Aquela circunstância da Parada Gay foi pedagógica para muita gente: no ano seguinte a mídia diminuiu a cobertura, o número de participantes diminuiu e o apoio financeiro por parte de empresáriariado sumiu de maneira considerável. O tempo é o professor de muitos. Acredito que o atual episódio de pastores brasileiros e a gringa Forbes nas esferas judiciais servirá de lição também.

Anajure - nota Pública sobre a Revista Forbes (25/01/2013)


Associação Nacional de Juristas Evangélicos - Anajure - instituição que luta pela defesa das liberdades civis fundamentais de todos os cidadãos, mesmo os colocados em suspeita –, posiciona-se contra uma possível capitis deminutio de direitos humanos fundamentais e emite nota sobre possivel violação dos sigilos fiscal e bancário dos de pastores brasileiros, ato atentatório às liberdades civis fundamentais, por parte da revista Forbes na matéria “The Richest Pastors In Brazil”, de 17 de Janeiro de 2013.

A Anajure revela preocupação com uma possível tendência e postura discriminatória e pejorativa aos líderes evangélicos em geral por parte da referida revista, ressaltamos não focar na questão teológica ou eclesiástica que envolve a reportagem e os fatos analisados nela.

Utopia e realidade

A mentalidade do leitor cristão é a Palavra de Deus. O formador de opinião do cristão é o Espírito Santo. Considerar que um artigo contenha informações incontestáveis é temerário, principalmente aos que se dizem seguidores de Cristo.  Edir Macedo afirma que sua renda vem dos direitos autorais que ele diz possuir. Malafaia afirma algo parecido. O que dizem deve ser respeitado, mesmo que a doutrina que eles apregoam seja repudiada e o que afirmam sobre suas finanças seja objeto de dúvida.

A situação que estamos observando na matéria da Forbes é parecida com a que observamos no episódio da Parada Gay, crítica do Silas Malafaia seguida de processo contra ele.. Naquela ocasião havia debate nas redes sociais, entre o tempo de trâmite da abertura do processo e o que o magistrado dissolveu a ação. Durante os dois momentos aconteceram debates acalorados de internautas. Eu li muita gente usar adjetivos pesados contra o Malafaia e contra pastores - charlatão era um deles- como leio agora. Mas quando o juiz dissolveu o processo, esse pessoal acostumado a criticar perdeu o ânimo de debater.

A minha noção de erro e acerto não é guiada por opinião pública. Bandido? Mostre o número do processo judicial que afirma isso. Charlatão? Qual é o número do processo que o classifica neste crime? É assim a dinâmica do meu raciocínio. Acusar não basta, é preciso a assinatura do magistrado comprovando a acusação.

É fácil detectar e enquadrar uma pessoa como charlatão se de fato essa pessoa agir como charlatão, basta usar o artigo 283 do nosso código penal. Como observadores dos fatos que ocorrem em nossa volta, vemos que existem um número enorme de pessoas com a intenção de condenar lideranças evangélicas pelos meios judiciais. Por qual motivo, quem acusa pastores de charlatães não tem sucesso em enquadrá-los judicialmente neste artigo de lei?

Considero que viver com maturidade é ser realista. Estar acordado para a vida é ter a comprovação legal das coisas que afirmamos. O contrário é ilusão.. Um exemplo: Fulano chega para entrevista de emprego e diz que é tecnólogo... Não basta dizer e nem digitar isso num papel com letrinhas bonitas, é preciso o diploma de uma instituição legalmente reconhecida na especialização de técnicos. O efeito de acusar é o mesmo, uma construção sintática bonintinha não é o bastante, é preciso a confirmação legal para eu aceitar o que está dizendo.

O Código Penal não funciona por hipóteses, não se condena alguém pelo que parece, mas com provas irrefutáveis, mesmo assim há muita gente se guiando por aparências, levando em consideração artigos de revistas.

A Forbes não entende de business (o segundo fracasso vem aí?)

É a segunda vez que a revista entra no mercado brasileiro, e por essa matéria abordando pastores, acredito que em breve ela dede fracassar outra vez. O editor, movido por cristofobia, parece tomar decisões cegamente, não age profissionalmente. Ele é incapaz de considerar que vivemos na era da Internet. A matéria circula na Rede Mundial de Computadores sem que entre um centavo no caixa da editora, e essa circulação destrói a marca Forbes, porque os leitores da versão online são cristãos, o Brasil é um país de maioria cristã e detecta a motivação cristofóbica existente no texto infeliz. Resultado, revistas encalhadas nas bancas com destino à reciclagem de papel.

Processo de Malafaia contra a Forbes

Entrevista para a IstoÉ!, que foi às bancas em 25 de Janeiro, sobre a matéria da Forbes:

Istoé - O que vai fazer? Silas Malafaia - Vou ganhar dinheiro dos americanos (da “Forbes”) lá na América, vou processá-los lá. A “Forbes” cometeu um equívoco grosseiro ao dizer que os dados são do Ministério Público e da Polícia Federal. Os dois órgãos não têm autoridade legal para passar dados de ninguém. Tentaram somar a arrecadação da Associação Vitória em Cristo, que não é minha, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, que não é minha, e da editora. Mas, se eu juntar os três, a arrecadação chega à metade do que disseram. Foi uma campanha sacana com subjetividade muito malandra. Ri quando vi a lista. Porque eu ter mais recursos que o R. R. Soares (da Igreja Internacional da Graça de Deus) é uma sacanagem com o R. R. Ler integralmente: aqui


Como cidadãos nós temos direitos e deveres. Todos iguais perante as leis. Todo cidadão que se sente prejudicado pode e deve processar o ofensor que lhe causa prejuízo. Qualquer pessoa que se sinta prejudicada por outra tem esse direito. É o que faz Silas Malafaia, contra a pessoa jurídica Forbes.

Dois processos contra a Forbes

Edir Macedo também se pronunciou sobre a matéria, e diz que abrirá processo contra a Forbes. Parece que está ficando caro ser cristofóbico no Brasil.

Conclusão

Estou contra preconceitos. E ao mesmo tempo em defesa da liberdade de expressão e culto. O jornalista da revista Forbes é um brasileiro cristofóbico, que com certeza após a batida do martelo de um juiz americano terá que encontrar outra profissão para sobreviver, porque será visto como uma pessoa que causa risco financeiro. Penso que o Malafaia sairá dessa embolsando uns 100 mil reais ou mais de indenização por danos morais.

Depois da sentença judicial contra a Forbes, a realidade será mais nítida para muita gente que não percebe isso agora. Eu me sinto em situação muito parecida com a ocasião da Parada Gay e o protesto de Malafaia, tenho a impressão que estamos vivendo agora algo semelhante ao passado nem tão distante assim. 

É quase certo que houve crime por parte do jornalista e da revista Forbes, os processos trarão à lume o que aconteceu.

E.A.G.  

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Kiss boate de 231 mortes em Santa Maria

Ivonio Hermes | Flicker
Boate Kiss em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, incendiada na madrugada de domingo (27), durante festa de estudantes universitários, deixa cerca de 233 jovens mortos.

Segundo o capitão do Corpo de Bombeiros, a tragédia começou quando a banda Gurizada Pandeigueira se apresentava, um membro do grupo musical ateou fogo em um sinalizador - espécie de rojão -  para iniciar um show pirotécnico.  As faíscas atingiram a espuma do isolamento acústico no teto da casa noturna e deu início ao incêndio, que se alastrou rapidamente. O estabelecimento não atendia normas de segurança, havia superlotação e o alvará de funcionamento estava vencido.

Do outro lado, Armando Neto, manifestou-se em nome da administração da Boate Kiss, emitiu comunicado na págima oficial na rede social Facebook, alegando que o quadro de funcionários possui a “mais alta qualificação técnica” e estava “devidamente treinado e preparado para qualquer situação de contingência”.

Testemunhas disseram que a fumaça tomou conta do local e o pânico foi generalizado. Muitas pessoas não conseguiram chegar a saída de emergência por falta de placas de informação e houve tumulto na saída principal do estabelecimento, gerando quedas e pisoteamentos.

As mortes ocorreram por asfixiamento, a inalação da fumaça, não por queimaduras do fogo. Sobreviventes estão de sobreaviso, pois ainda correm o risco de desenvolveer pneumonia por intoxicação química.113 estão internadas e 79 são consideradas pacientes em estado grave.

Cadê os responsáveis? Um local assim deveria ser coberto com forro antichama. Isso parece ser consequência de corrupção entre fiscais municipais e donos do estabelecimento. Mas é cedo para ter a certeza disso.

E.A.G.

domingo, 27 de janeiro de 2013

EBD 2013 - 1º Trimestre: Elias e os profetas de Baal

Elias e os profetas de Baal é o nome da quarta lição da revista Lições Bíblicas, à Escola Bíblica Dominical (EBD), publicada pela Casa Publicadora das Assembleias de Deus (CPAD), com comentários de José Gonçalves. A matéria foca o confronto de Elias, que em si é uma comparação de altares. Os sacerdotes de Baal dedicaram culto a Baal e Elias ao Deus verdadeiro. E essa distinção religiosa tem uma lição muito importante aos cristãos. 

Um dia, ouvimos o chamado do Salvador e passamos a servir a Ele como Senhor. E para o restante de nossos dias é assim que deve permanecer a nossa disposição. Mas, infelizmente, assim como aconteceu com a religiosidade dos judeus, acontece com diversos cristãos nos dias atuais (1 Reis 18.21). 

Os deuses da atualidade são diferentes, mas quem incentiva o ser humano a distanciar-se do Deus verdadeiro ainda é Satanás e o propósito continua igual: afastar as criaturas do seu Criador. Os falsos profetas induzem o povo a servir ao dinheiro, ao culto pessoal e de terceiros e às placas denominacionais. Isto ocorre, inclusive, com a introdução de sincretismo religioso.

É perfeitamente aceitável a analogia da vida cristã com um altar. Cristo deve ser entronizado em nossos corações e adorado como único Deus verdadeiro em nossas vidas, diuturnamente. Cada decisão que tomamos é um tijolinho posto no altar espiritual. A vida cristã é construída corretamente através do conhecimento das Escrituras Sagradas e da decisão de afastar-se do pecado (Salmo 119.11).

Paulo escreveu: "Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus" - Romanos 12.1-2. 

O apóstolo Tiago descreveu o comportamento daqueles que, apesar de extremamente religiosos, constroem altares desagradáveis ao Criador. Por ser influenciados com o estilo desse mundo, vivem a religiosidade carnal, mundana, impulsionada pelos interesses de Satanás "Quem dentre vós é sábio e entendido? Mostre pelo seu bom trato as suas obras em mansidão de sabedoria. Mas, se tendes amarga inveja, e sentimento faccioso em vosso coração, não vos glorieis, nem mintais contra a verdade. Essa não é a sabedoria que vem do alto, mas é terrena, animal e diabólica (...) De onde vêm as guerras e pelejas entre vós? Porventura não vêm disto, a saber, dos vossos deleites, que nos vossos membros guerreiam?" - Tiago 3.13-15; 4.1.

É preciso promover a verdadeira adoração. Ela é praticada através de imparcialidade baseada nas Escrituras Sagradas.

"E, se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente, e o não lança em rosto, e ser-lhe-á dada (...) Mas a sabedoria que do alto vem é, primeiramente pura, depois pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade, e sem hipocrisia. Ora, o fruto da justiça semeia-se na paz, para os que exercitam a paz" - Tiago 1.5; 3.17-18.

E.A.G.

domingo, 20 de janeiro de 2013

Malafaia processa Forbes por artigo de brasileiro

Segundo dados questionáveis de uma matéria publicada em 17 de Janeiro na revista Forbes, Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus, é o pastor mais rico do Brasil, com um patrimônio estimado em 950 milhões de dólares (1,9 bilhão de reais). Após ele, Valdemiro Santiago, líder da Igreja Mundial do Poder de Deus é dono de 220 milhões de dólares (440 milhões de reais). Em terceiro lugar, aparece Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, com estimava de ser dono de uma fortuna de 150 milhões de dólares (300 milhões de reais). RR Soares, fundador da Igreja Internacional da Graça de Deus, teria patrimônio de 250 milhões de reais. E Estevam Hernandes Filho e sua esposa, "Bispa" Sonia, seriam donos de 65 milhões de dólares (130 milhões de reais).

A listagem precede uma carga bastante preconceituosa contra a cristandade, colocando a vocação pastoral como profissão, a igreja como empresa e os membros dela como gente manipulável, parte de uma grande massa de manobra. A matéria é assinada pelo jornalista brasileiro Anderson Antunes, apresentado como colaborador da Forbes, como também da The Financial Times, USA Today, The Telegraph, CNN, MSNBC. 

Ao ler a matéria, saltou aos meus olhos as fontes. O substantivo feminino "estimativa" aparece várias vezes no texto e deixa claro que não há base sólida para os números que apresenta. Ao final do texto é mencionado que as fontes seriam coletadas em revistas como Veja, Exame, jornais Estado de São Paulo, Folha, entre outros; e, pasmem-se, relatórios do Ministério Público do Brasil, da Polícia Federal e da União.  

Ora, as informações do MPF, PF e União são confidenciais e artigos de revistas não são documentos consistentes para tais afirmações. No espaço de comentários da matéria, a versão online, Antunes admite não possuir acesso às informações de imposto de renda das pessoas mencionadas por ele. Ou seja, tudo são suposições.

Silas Malafaia anuncia que processará a revista Forbes brasileira. Por quê? Porque ele afirma que os números apresentados não correspondem com a sua realidade, seu patrimônio seria bem menor.

O casal Hernandes, RR Soares, Macedo e Valdemiro Santiago não se pronunciaram a respeito.

Aguardem para o desfecho disso. O Malafaia deve embolsar uns 100 mil de indenização por danos morais. Após ser indenizado, Antunes provavelmente será desprezado pelo mundo do jornalismo, considerado um elemento de risco financeiro aos órgãos de Imprensa.

E.A.G.

Consultas:
http://www.forbes.com/sites/andersonantunes/2013/01/17/the-richest-pastors-in-brazil/
http://www.verdadegospel.com/pr-silas-desmente-safadeza-da-forbes-sobre-sua-renda/?area=1

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Opinião pessoal e apologia bíblica

Por Eliseu Antonio Gomes

Não há nada de errado em expressar opinião, mas ao menos um cristão deveria expressar-se com conhecimento absoluto sobre o que, ou quem, se expressa.

Às vezes eu paro e observo algumas atitudes. Existe quem opine como se tivesse o atributo de onisciência, ser detentor de um senso apuradíssimo sobre tudo e todos, como se fosse realmente capaz de sondar os corações muito bem! Os tais se comportam como se pudessem de fato enxergar o interior do coração das pessoas que vivem distantes delas, como se vivessem dentro do cérebro delas. E fazem isso para reprovar a conduta alheia baseado em critérios próprios sobre o que é agir de maneira correta ou equivocada.

Uma pessoa cristã, emissora de expressões analíticas sobre a cristandade, antes de fazer sua análise conhecida precisa ser profunda conhecedora das Escrituras Sagradas. Ler a Palavra de Deus habitualmente dia após dia. O leitor que tem contato com as Escrituras Sagradas da maneira e intenção certas encontra na leitura o sustento absoluto que o conduz à vida eterna, a instrução divinamente inspirada para que se aperfeiçoe plenamente e esteja sempre preparado para todas as boas ações nesta vida (2 Timóteo 3.16-17).

É fácil classificar pessoas desconhecidas como "lobo", "cambada de lobos", "executivo da fé", "mentiroso", corruptível, rendido ao dinheiro. É fácil classificar pessoas, com quem não convivemos e não conhecemos, como marionetes e incautos. Difícil é ser justo ao emitir essas classificações sobre elas.

Ao opinar, a opinião pessoal do cristão deve ficar em segundo plano e a Palavra de Deus em primeiro, porque é dever cristão proclamar o reino de Deus e não os próprios pensamentos como regras de comportamento, seja isso feito em defesa de interesses pessoais ou não.

A exposição de opiniões de um cristão deve estar acompanhada pela vontade de analisar a situação pelo crivo do conteúdo bíblico. Jamais ser apenas um canal para aflorar a catarse devido antipatia ou disputas de interesses.

Se apresentando como cristão, quem gosta de criticar o meio evangélico deveria pesquisar mais o conteúdo do Evangelho e se pautar nele para formular opiniões sobre a cristandade e a sociedade em geral. A opinião meramente humana não produz edificação espiritual.

Uma pessoa cristã precisa ser justa, porque só os justos entrarão no céu (1 Corintios 6.9).

E.A.G.

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

EBD 1º Trimestre de 2013: Elias e a longa seca sobre Israel

Por Eliseu Antonio Gomes

Nomenclaturas

Existe uma diferença entre os fenômenos climáticos seca e estiagem. Ambas provocam a insuficiência de chuvas. Porém, há um conceito metereológico que define a seca como um fenômeno permanente, enquanto a estiagem acontece por determinado intervalo de tempo.

Baal e Aserá

Baal era a principal divindade masculina dos fenícios e dos cananeus, era considerado o deus do trovão, do raio e da fertilidade, simbolizava as forças da natureza e supostamente possuía poder sobre os fenômenos naturais.

A deusa Aserá era a esposa de Baal, adorada entre os sidônios e  na mitologia cananéia.

Fidelidade, infidelidade, escassez e fome

A Escritura revela que a fome era extrema em Samaria. O grande período sem chover provava que Baal era um deus falso. A passagem bíblica de 1 Reis 18.5 revela que inclusive os cavalos de montaria do rei sofriam com sede e fome.

Até mesmo em uma grande escassez Deus nunca se esquece dos seus servos fiéis. Enquanto os idólatras padeciam durante o tempo que não chovia, o Senhor revelava-se de maneira maravilhosa ao enviar provisão aos que não dobraram seus joelhos a Baal. Não faltou água e comida para Elias durante a estiagem, como também não falou provisão aos muitos outros profetas do Senhor (1 Reis 17.1-7; 18.4; 19.18).  

O apóstolo Paulo nos deu um depoimento sobre sua fé em Deus independente das condições em que se encontrava, que todo cristão precisa estar disposto a imitar: "Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda a maneira, e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter abundância, como a padecer necessidade. Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece" -  Filipenses 4.12-13.

O monte Carmelo

O monte Carmelo era o pico de uma cordilheira, as cadeias de montanhas que ele fazia parte se estendiam do sudeste de Israel até o Mediterrâneo. O local era o mais famoso centro religioso de adoração a Baal, onde havia santuários pagãos nos quais prestava-se culto ao falso deus pedindo o retorno das chuvas e boas colheitas.

O longo período em que não chovia sobre o reino do norte criou as condições para que Elias desafiasse os profetas de Baal e de Aserá, provasse que tais divindades não passavam de deuses falsos.

O teste da verdade

No monte Carmelo, Elias resolveu realizar o teste da verdade e mostrar a superioridade de Jeová contra Baal. Era o ambiente mais que propício ao desafio, pois haviam novecentos sacerdotes pagãos e grande aglomeração de corações israelitas idólatras. Conferir: 1 Reis 17.1, 2; 18.1, 2, 19. 21, 39.

Com firmeza de fé, Elias convidou o rei Acabe e os sacerdotes de Baal ao cume do monte para realizarem uma prova de fogo, com a finalidade de determinar quem adorava ao Deus verdadeiro. O teste que o profeta estabeleceu colocava a sua vida em risco: o Deus verdadeiro responderia à oração do seu adorador com fogo para queimar a oferta de sacrifício. Se Baal enviasse fogo, Elias seria morto. Mas Elias se sentiu tranquilo porque tinha convicção que Baal sequer existia e que era servo do Deus vivo. Em reação à ação de Elias, Deus enviou uma das respostas de oração mais espetaculares registradas na Bíblia Sagrada, capitulada em 1 Reis 18.22-40.

Fé e coragem

Elias era um homem  perseguido por causa de sua religião, era ilegal ser um profeta do Senhor durante o reinado de Acabe e rainha Jezabel. Com coragem ele se opunha a religião idólatra financiada pelo Estado, requerida por lei.

Elias era uma mero cidadão entre o povo simples que seguia com o coração dividido, idolatrando Baal, Aserá, e ao mesmo tempo a Jeová. A clássica pergunta (até quando coxeareis entre dois pensamento?) revela o coração infiel dos judeus, que deveriam adorar apenas ao Senhor, mas sob pressão curvavam os joelhos a Baal. José Gonçalves, comentarista da revista Lições Bíblicas, ao abordar essa interrogação, escreveu: "A palavra hebraica "as'iph", traduzida como pensamentos, mantém  o sentido de ambivalência ou opinião dividida. A idolatria havia dividido o coração do povo."

Pela perspectiva humana, a proporção desigual de pessoas, quatrocentos e cinquenta profetas de Baal e quatrocentos e cinquenta profetas de Aserá contra um profeta do Senhor, revela a fé e coragem de Elias. Ele sabia que estava na condição de alguém desprotegido apenas aparentemente. Deus estava presente naquele momento e em todos os outros (1 Reis 17.1; 18.19).

Elias fez uso do ato profético para revelar aos israelitas a soberania de Deus, não somente sobre a história, mas sobre os fenômenos naturais. Ao final da prova de fogo, ordenou que matassem os profetas de Baal e Aserá seguindo a ordenança que constava na Lei de Moisés: 1 Reis 18.40; Deuteronômio 18.20.

Ao corajosamente usar a fé, não ceder à pressão estatal, o profeta serviu de instrumento de Deus para que os propósitos divinos fossem alcançados. Embora o coração de Acabe não tenha se convertido ao ver o resultado do confronto realizado no monte Carmelo, o povo se arrependeu diante da evidência que Jeová é o único Deus verdadeiro, a fonte de vida e bênção, e o perigo da apostasia total foi afastado.

A lição contida na persistente oração de Elias

Apesar de Deus avisar a Elias que iria chover, o profeta prostrou com rosto em terra e orou por sete vezes pedindo ao Senhor que abrisse as janelas do céu, acreditou que haveria resposta positiva da sua oração mesmo antes de qualquer evidência (1 Reis 18.1; 42-45). O apóstolo Tiago esclarece que a oração de um cristão pode ser tão eficaz quanto a de Elias (Tiago 5.17-18).

O escárnio de Elias e o clamor dos profetas de Baal

Eias era um homem sujeito às mesmas paixões carnais que qualquer um de nós. A situação de animosidade entre ele, Acabe, Jezabel e os sacerdotes de Baal, era intensa, algo grande e capaz de abalar seu lado emocional (1 Reis 18.17-18; Tiago 5.17).

No cume do Carmelo, enquanto os sacerdotes de Baal prepararam o altar e clamaram por mais de seis horas, e ao mesmo tempo se retaliaram, sem obter nenhum tipo de resposta, Elias caçoava de todos eles. Com certeza os sacerdotes pagãos ridicularizaram Elias e sua fé. Vivendo na Dispensação da Lei, que imperava o revide "olho por olho e dente por dente", o profeta deve ter replicado às zombarias que ouviu (Êxodo 21.24; 1 Reis 18.26-29).

A reação zombeteira de Elias é apresentada apenas como um relato, não há nas Escrituras uma posição afirmando que a atitude de escárnio era da vontade divina. Entretanto, encontramos entre os cristãos quem admire a postura irônica de Elias, e até o imite fazendo ironias também.

Zombar é escarnecer, aborrecer, comportar-se dando vazão aos sentimentos de ira e inimizade e ao mesmo tempo provocá-los no próximo. O Salmo 1 recomenda ao servo de Deus não assentar-se na roda de escarnecedores, quanto mais proceder igual a eles. Nenhum cristão deve comportar-se como um escarnecedor.

Conclusão

Estamos na Dispensação da Graça, o tempo das zombarias de Elias passou, é tempo de amar os semelhantes.

O cristão precisa dominar o ambiente em que está com atitude de mansidão. Ser manso não é ser fraco, é ser forte espiritualmente, é saber reagir com a firmeza de uma rocha, a pedra imóvel e inabalável diante de todas as intempéries."Portanto, meus amados irmãos, todo o homem seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar." - Tiago 1.19.

Ame a todos. É preciso amar, porque a prática do amor se consiste no cumprimento do mandamento de Cristo.

Ouvistes que foi dito: Olho por olho, e dente por dente. Eu, porém, vos digo que não resistais ao mal; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra; E, ao que quiser pleitear contigo, e tirar-te a túnica, larga-lhe também a capa; E, se qualquer te obrigar a caminhar uma milha, vai com ele duas. Dá a quem te pedir, e não te desvies daquele que quiser que lhe emprestes"
- Mateus 5.38-42.

“Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo, e odiarás o teu inimigo. Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus; porque faz que o seu sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos”
-  Mateus 5.43-45.

Ore em favor de quem não merece ser amado por você, peça a Deus que crie situações em que poderá praticar o bem para quem se comporta como seu inimigo. O amor é o vínculo da perfeição, quem pratica o amor vive em santidade, está distante do pecado como Deus orienta que esteja (Colossenses 3.14).

 E.A.G.

_________

Consultas:

A Rocha - A Bíblia que conduz às escolhas certas; Josh McDowell; 2002, São Paulo (Editora Candeia);
Bíblia de Estudo Plenitude; Barueri, 2001 (Sociedade Bíblica do Brasil);
Lições Bíblicas, José Gonçalves, 1º trimestre de 2013, Rio de Janeiro (CPAD).

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Ninguém merece, mesmo!

Ninguém merece! Não é difícil encontrar alguém usando essa frase em tom de reprovação de alguma situação chata, contra uma pessoa que fez algo que não é bem aceito.

Mas você já pensou nesta frase fazendo um paralelo com o Evangelho? A palavra "graça" é karis em grego. Ela significa "favor não merecido".

 "Graça" tem a sua raiz etimológica associada com as palavras "alegria" e "regozijo". Isto é: graça é uma situação que nos leva a estar alegres, alegrar-se muitas vezes.

Quando Deus disse para Paulo "a minha graça te basta" (2 Coríntios 12.9) não estava passando uma reprimenda nele. Animava-o. O Senhor incentivava o apóstolo lembrando que ele tinha muitos motivos para estar contente, porque o poder divino se aperfeiçoava na fraqueza humana dele.

Quais seus pontos fracos? Alegre-se, porque o favor divino, que ninguém merece, está ao seu alcance. Use-o!

E.A.G.

A conversão cristã e a prosperidade

A leitura bíblica  

Como ler, estudar  e usar a Bíblia Sagrada corretamente? Ler com a mente aberta e vazia, sem pensamentos preconcebidos, desejando receber a informação bíblica e a edificação espiritual. Com a intenção de usar o conteúdo lido de maneira imparcial. Para conferir se a pregação que recebe está ou não de acordo com a Palavra de Deus.

O leitor que tem contato com as Escrituras Sagradas da maneira e intenção certas encontra na leitura o sustento absoluto que o conduz à vida eterna, a instrução divinamente inspirada para que ele se aperfeiçoe plenamente e esteja sempre preparado para todas as boas ações nesta vida (2 Timóteo 3.16-17).

Deus e o ser humano (em carne e ossos)

"Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o SENHOR; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais." Jeremias 29.11.

Há quem esteja acostumado a espiritualizar passagens bíblicas a ponto de esquecer que o Espírito pairava sobre as águas quando Deus criava a matéria (Genesis 1.2). E neste esquecimento considera que tudo que esteja ligado ao mundo material é oposto ao lado espiritual. 

É um equívoco pensar assim. Deus quer o nosso bem estar em todos os sentidos: espiritual, físico e psicológico. É uma pena que exista quem pense que o Criador fez o homem (tricotômico: corpo, alma e espírito) e que Ele enviou Jesus só com a missão de salvar o espírito. 

Passagens bíblicas neotestamentárias sobre o interesse divino em nosso bem-estar físico

 "E aconteceu que, no sábado segundo-primeiro, passou pelas searas, e os seus discípulos iam arrancando espigas e, esfregando-as com as mãos, as comiam. E alguns dos fariseus lhes disseram: Por que fazeis o que não é lícito fazer nos sábados? E Jesus, respondendo-lhes, disse: Nunca lestes o que fez Davi quando teve fome, ele e os que com ele estavam? Como entrou na casa de Deus, e tomou os pães da proposição, e os comeu, e deu também aos que estavam com ele, os quais não é lícito comer senão só aos sacerdotes?" - Lucas 6.1-4.

"Dai, e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando, vos deitarão no vosso regaço; porque com a mesma medida com que medirdes também vos medirão de novo."
- Lucas 6.38.  A figura dessa passagem é o cesto de sementes. Cheio, mas não apenas cheio. É cheio e sacudido para que as sementes se descoloquem e se fixem uma perto das outras e não sobre espaço vazio dentro do cesto. Depois de sacudir o cesto o volume de sementes abaixa e é posto mais sementes sobre tudo. Nova sacudida e outra vez o volume desce. Quando não resta mais espaço vazio entre as sementes, a nova porção post sobre elas transborda... Essa bela ilustração é uma promessa divina para quem ama a Deus e ao próximo, doa aquilo que tem, faz ofertas patrocinando ações de evangelismo e missões da igreja.

"E dizia-lhes uma parábola..."
- Lucas 6.39. Seguem as parábolas do O Cego e o Argueiro, O Mestre e os Discípulos, A Casa Edificada na Rocha.

As coisas materiais servem às espirituais. Aquele que ganha o salário mínimo não tem condições de financiar uma família em missões, mas quem goza de bens em fartura, sim... Tira de suas finanças o suficiente que possa sustentar não apenas uma família, mas várias famílias em campo missionário.

Durante a leitura bíblica, a prática da boa homilética nos recomenda ir ao contexto abrangente. Sobre a relação de Deus conosco, enquanto ainda estamos neste corpo composto de  matéria, não existe sustentação exegética nenhuma para pensar que o verso 38 do capítulo 6 do Evangelho de Lucas contenha conotação espiritualizada. Vemos que o escritor Lucas fez uma compilação de relatos agrupados de maneira ordenada, separando as seções por temas. Note que o contexto da ilustração do cesto não é uma parábola, o capítulo é iniciado com o tema fome, aborda a necessidade física do corpo, fala da necessidade que o nosso corpo tem de comer

O reino de Deus e seus súditos

Buscai o Reino de Deus e a sua justiça e todas as demais coisas vos serão acrescentadas" - Mateus 6.33.

O apóstolo Paulo descreveu o reino de Deus: não é comida e nem bebida, é justiça, paz e alegria no Espírito (Romanos 14.17). Mas, há quem tenha radicalizado e deixado de beber e comer regularmente pensando que assim seria mais espiritualizado. Qual o resultado? Gastrite, úlcera, anemia, raquitismo, e cemitério nos casos mais graves.

Buscar o reino de Deus significa aceitar a Jesus Cristo no coração como o único Rei, o único Senhor. Esta prática se consiste em cumprir os mandamentos de amar a Deus e ao próximo, mesmo que esse próximo seja o pior inimigo (1 Timóteo 6.15; Lucas 6.46; Mateus 5.43-44). Viver como um autêntico cidadão do Reino de Deus implica em negar servir aos desejos da carne e seguir a caminhada cristã segundo o fruto do Espírito (Mateus 16.24; Gálatas 5.16-23).

Quando procedemos exatamente da maneira que Jesus quer que procedamos, continuamos a viver neste mundo com suas leis civis, que precisam ser acatadas por nós, e ao mesmo tempo vivenciamos plenamente  o reinado de Deus em nossas vidas cristãs.

O reino de Deus e a justiça divina

No Antigo Testamento, o Salmo 15 contém a descrição mais clara do que significa ser justo. É ser uma pessoa que ama a Deus, e demonstra esse amor fazendo o bem ao próximo.  

O Novo Testamento também segue este princípio: 

"Se um irmão ou uma irmã estiverem nus e tiverem falta de mantimento cotidiano, e algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquentai-vos e fartai-vos; e não lhes derdes as coisas necessárias para o corpo, que proveito há nisso? Assim também a fé, se não tiver obras, é morta em si mesma." - Tiago 2.15-17.

"Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, não pode amar a Deus, a quem não viu." -  1 João 4.20.  

O apóstolo Paulo ao comentar sobre Jesus, deescreve-O como o Deus que se fez homem (2 Timóteo 2.5). Ao falar sobre a justiça de Deus, descreve o justo como alguém que crê que Cristo esteve entre nós em pessoa de carne e sangue, morreu e no coração crê que Ele ressuscitou, e confessa que Ele é o seu Senhor. "Mas a justiça que vem da fé diz assim: Não digas em teu coração: Quem subirá ao céu? {isto é, a trazer do alto a Cristo;} ou: Quem descerá ao abismo? {isto é, a fazer subir a Cristo dentre os mortos}. Mas que diz? A palavra está perto de ti, na tua boca e no teu coração; isto é, a palavra da fé, que pregamos. Porque, se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo; pois é com o coração que se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação - Romanos 10.6-10. 

O reino de Deus e a promessa de acrescimento 

"E Jesus, respondendo, disse: Em verdade vos digo que ninguém há, que tenha deixado casa, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe, ou mulher, ou filhos, ou campos, por amor de mim e do evangelho, que não receba cem vezes tanto, já neste tempo, em casas, e irmãos, e irmãs, e mães, e filhos, e campos, com perseguições; e no século futuro a vida eterna" - Marcos 10.29-30.

Ame a Jesus Cristo em seu coração, acima de seu amor pela família e amigos, sem deixar de amá-los (1 Timóteo 5.8), e Deus honrará sua atitude com bênçãos de multiplicação. Ame a Deus acima das posses terrestres, sirva ao Senhor através delas e com elas e creia na promessa de bênção terrestre (Lucas 16.13)

Mateus 6.33 recomenda que busquemos em primeiro lugar o Reino de Deus e sua justiça e declara a consequência de quem faz isso. Quem assim faz não precisa ficar ansioso com seu futuro, quanto às roupas e a comida necessárias. A segunda parte do texto fala em  "acréscimos". O que isto significa? Prosperar é ter acrescimento. Aquele que considera a Jesus Cristo como único Senhor, confessa sua consideração sobre Ele a todos em sua volta, recebe acréscimos de tudo o que tem. O cidadão cristão pobre melhora, o rico melhora, o bilionário melhora.

Doutrinas estranhas


Como é o nome dessa teologia que apresenta Deus como um Ser que não se importa com o bem-estar do ser humano, só deseja beneficiar o espirito do homem que Ele criou e despreza a psiquê e o corpo, que Ele também criou?

A Bíblia Sagrada é repleta de simbologias. Um símbolo negativo jamais representa algo positivo. E vice versa. Como o céu é representado na Escrituras? Lugar de sofrimento ou de alegria? De miséria ou de regalo? O céu é descrito como um lugar cujas ruas são de ouro e cristais, em que não existe nenhum motivo para derramar lágrimas. Se é assim, por qual motivo o "irmão espiritual", que critica tanto quem deseja bênçãos de prosperidade, também não recusa andar nas pavimentações luxuosas lá do céu? Sugiro que os tais orem: "Dispenso entrar no céu porque lá existe 'carnalidade celestial'."

Conclusão


A vida de todas as pessoas é o resultado do que elas acreditam. Isto vale enquanto vivemos como cidadãos na Terra e também refere-se aos posicionamos na esfera espiritual. Quem não acredita que seja capaz de dirigir um automóvel jamais será um bom motorista. E quem não acredita que Deus está interessado em seu bem-estar material, jamais será beneficiado com bênçãos desta ordem, porque tudo que não é por fé é pecado, a descrença é desagradável ao Senhor (Romanos 14.23; Hebreus 11.6).

E.A.G.

sábado, 12 de janeiro de 2013

A Neurolinguística - o pastor e o evangelista

 Neurolinguística 

Tem gente que pensa que pelo falar exaustivamente convence aos outros. 

Isso acontece muito em igrejas, a pessoa toma posse do microfone e fala por mais de 1 hora ininterruptamente. Está provado pela Ciência que o cérebro humano, na fase adulta, é capaz de assimilar um monólogo com 100% de atenção por apenas 20 minutos.

Quanto à escrita, o que vale para a mensagem ser entendida é usar o veículo certo e elaborar uma construção sintática que se encaixa ao leitor. 

A questão é assaz pertinente. Está ligada à neurolinguística: mensageiro, mensagem e público-alvo.

Qual é a dinâmica do conferencista competente? 

Não basta ao comunicador conhecer o conteúdo da mensagem, ele precisa conhecer quem a ouvirá. Por exemplo: Não é possível ensinar Matemática para um bebê, primeiro ele precisa aprender tudo sobre Algarismo Arábico. 

O conferencista tem o dever de fazer com que os ouvintes entendam a palestra, recai sobre ele cerca de 99, 999% do peso da responsabilidade de ser bem entendido. Ele precisa moldar-se aos seus ouvintes, palestrando em nível intelectual deles, com uso de jargões apropriados, termos técnicos que eles dominam, etc. 

Pastores e evangelistas

O papel do pastor (na essência do termo) é pastorear, fazer discipulado, ensinar a Palavra de Deus aos convertidos. E falar aos perdidos, às almas sem Cristo é função do evangelista. Evangelizar é anunciar as Boas Novas, falar sobre a salvação aos não salvos. 

O público-alvo que o conferencista tem são os cristãos presentes na igreja. Se quem prega é uma pessoa convidada, deve prezar pela ética Qual? Abordar temas segundo a orientação do pastor que o convida. Às vezes o tema do convidado é livre, mas nem sempre.

Como anfitrião, é importante o dirigente da igreja informar ao pregador visitante sobre quem o ouvirá. O pregador precisa saber algumas características de seus ouvintes.

Existem nos bancos da igrejas almas que ainda não se converteram ou apenas cristãos evangélicos? É contraproducente discorrer sobre João 3.16 e Atos 4.12 para quem já recebeu Jesus. 

É necessário otimizar o tempo durante o culto. 

E.A.G.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

A importância do evangelista no plano divino de salvação almas

Por Eliseu Antonio Gomes

A salvação é um processo que acontece quando a pessoa abre o coração ao Espírito Santo. Deus é sábio e só Ele está efetivamente eficaz de uma ponta até outra deste momento de transformação da alma. O pregador é NADA! Sinto dó de quem se acha importante neste assunto da salvação e desdenha do próximo. Só Jesus é eficaz nesta matéria

"Pois, quem é Paulo, e quem é Apolo, senão ministros pelos quais crestes, e conforme o que o Senhor deu a cada um? Eu plantei, Apolo regou; mas Deus deu o crescimento. "Por isso, nem o que planta é alguma coisa, nem o que rega, mas Deus, que dá o crescimento. Ora, o que planta e o que rega são um; mas cada um receberá o seu galardão segundo o seu trabalho" 1 Coríntios 3.5-8.

O trabalho de Deus no plano da salvação é muito bonito, meticuloso, espetacular! Dá alegria só de pensar. Leia a listagem que encontramos na carta de Paulo aos cristãos da Igreja Primitiva:

"Há um só corpo e um só Espírito, como também fostes chamados em uma só esperança da vossa vocação; um só Senhor, uma só fé, um só batismo; um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, e por todos e em todos vós" Efésios 4.4-6.

"Aquele que desceu é também o mesmo que subiu acima de todos os céus, para cumprir todas as coisas. E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, Querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo; até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo" - Efésios 4.10-13.

Deus é único e eficaz no processo da salvação. A mensagem é entregue por seres humanos, porém o processo que está nas mãos do homem não é atividade de uma só pessoa. O aperfeiçoamento das almas envolve apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres. Neste processo, o Espírito nos usa como membros de um corpo que se chama Igreja... O coração precisa dos pulmões, o pulmão do fígado, o fígado das mãos, e a mão esquerda da mão direita... O pulmão morre sem o restante dos órgãos... Todos os órgãos morrem sem o funcionamento dos pulmões... Somos dependentes uns dos outros para viver em Cristo.

O mensageiro que entrega a mensagem da salvação precisa entender que é apenas uma parte de um grande elo que só é vivo se houver envolvimento direto com o Espírito. Não é apenas o ministério de evangelista, nem o de apostolado, ou de pastor, mestre ou profeta, que levará uma pessoa ao aperfeiçoamento espiritual... E Deus faz com que seja um processo coletivo, nunca individual  para que ninguém queira se sentir mais importante que Jesus Cristo quando uma alma se converte.

Eu gosto do evangelismo do tipo olhos nos olhos. Gosto de falar sobre Jesus para quem quer ouvir falar dEle. Eu me esforço para continuar a evangelizar até quando a pessoa está bem firmada na fé. Se possível, levo a pessoa evangelizada e apresento ela ao pastor que a pastoreará. Não promovo placas de denominações evangélicas. Existem pessoas que estão por aí, pregando, pastoreando, que um dia Deus me deu o prazer de encontrar e falar a elas sobre o plano da salvação. Essa capacidade é dada pelo Espírito. Tenho plena consciência que não sou nada neste processo de evangelismo. Glórias ao Senhor por tudo isto.

Quer evangelizar e ver almas seguindo a Jesus por intermédio de você? Ore a Deus e aguarde. O Senhor responderá seu pedido. Fique com os olhos bem vigilantes, pois a resposta virá e deve aproveitá-la.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

SBB - Tradução Almeida Revista e Atualizada receberá novas revisões

A revista A Bíblia no Brasil, publicação oficial da Sociedade Bíblica do Brasil, editora que detém os direitos de publicação da tradução Almeida Revista e Atualizada (ARA), em sua edição referente ao primeiro trimestre de 2013, em matéria de capa, anunciou que prepara intervenções na obra.

Já no editorial, assinado por Erní Walter, o propósito de revisão é apresentado: "Um dos aspectos mais importantes do trabalho bíblico é a tradução. Entregar a Bíblia a todos, numa língua que possam entender e a um preço que possam pagar faz parte do DNA das Sociedades Bíblicas."

A matéria contém seis páginas com belas ilustrações e não informa quem a escreveu. Segundo o conteúdo, o que já era excelente ficará ainda melhor, e com a anuência e participação da igreja cristã.

Encontramos lideranças cristãs prestando depoimentos sobre o uso da ARA: Roberto Brasileiro (Igreja Presbiteriana do Brasil); Almir Marrone (Vice-Presidente da Igreja Adventista do Sétimo Dia); Roberto Moura Pinho (pastor e editor da Casa Publicadora Brasileira); Egon Koperck (pastor presidente da Igreja Evangélica Luterana no Brasil); e, Ernesto Ferreira Junior (Igreja do Nazareno).

O artigo menciona que a tradução seguiu o estilo da equivalência formal, respeita à forma das línguas-fontes (hebraico e grego), verbos por verbos, substantivos por substantivos, mantém a ordem das palavras de acordo como aparecem no original. Relembra que a primeira edição da ARA ocorreu entre 1943 e 1959, em plena era do rádio e que houve a preocupação por parte da equipe de ler em voz alta, para checar a legibilidade e sonoridade.

A ARA é considerada marca registrada da Sociedade Bíblica do Brasil. Ela surgiu da iniciativa da Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira, porém, o processo terminou nas mãos da SBB.

O artigo esclarece as diferenças existentes no processo de tradução da Almeida Revista e Corrigida (ARC) e ARA. O artigo afirma que em no século 17 João Ferreira de Almeida não tinha em mãos os melhores textos para servir de base ao Novo Testamento. Ele usou o "texto recebido" (textus receptus), editado por Erasmo de Roterdã, em 1516, e alguns poucos manuscritos copiados durante a Idade Média. Depois que a obra de João Ferreira de Almeida estava concluída, foram descobertos manuscritos gregos mais antigos, muitos deles remontam ao quarto século d.C, e até pertencentes aos séculos anteriores. Estes materiais mais aproximados ao tempo de Jesus e dos apóstolos deram origem ao Novo Testamento conhecido como "edições críticas". A ARA recebeu como base textual esse trabalho, a partir da 16ª edição do Novo Testamento Grego editado por Erwin Nestle.

Além dessa diferença, o artigo esclarece que existem distinção quanto aos cacófatos. Os revisores da ARA eliminaram cerca de 2000 sonoridades indesejáveis. Exemplos:

Tatu - "Volta tu também" (Rute 1.15);

Alice - "E todo Israel ali se achou" (Esdras 8.25);

De acordo com as diretrizes das Sociedades Bíblicas Unidas, a recomendação é de que a cada 25 anos seja feita uma revisão de texto. "Quanto mais se demora para dazer uma revisão, mais difícil ela se torna", explica Vilson Scholz, consultor de tradução da SBB.

Em 1993 houve a primeira revisão da ARA.

E.A.G.

Atualização: 7h41.

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Misfits: adolescentes desajustados

A vida e a arte

The Misfits (Os Desajustados) é uma série britânica que estreou em 2009 no canal de televisão E4 (da emissora inglesa Channel 4), exibida no Brasil no Multishow. Nada tem a ver com o filme americano de 1960, com o mesmo nome, em que há a última atuação de Marylin Monroe.

A produção mistura doses de ficção científica com drama e comédia. Já está em sua quarta temporada. Existe rumores que possa migrar para o cinema, com elenco original. A síntese é: juventude fracassada vive o caos da desordem familiar, social, usa linguagem obscena e demonstra pouco interesse de mudança e quase nenhuma perspectiva de sucesso no futuro. Essa fórmula não é original, desde os filmes de James Dean ela é usada. Mas, apresentada em roteiro bem elaborado e com atores bem escolhidos e dirigidos, deu certo.

Misfits foi premiada em 2012 pela Academia Britânica de Cinema e Televisão com o BAFTA Television Award como melhor série de drama. Tal prêmio é concedido anualmente desde 1954 às produções realizadas no Reino Unido, é similar aos troféus Emmy Awards, entregues aos que fazem televisão no Estados Unidos.

A série foi bem recebida pelo público e pela crítica especializada além do telespectador inglês, encontrou sucesso na Austrália, Nova Zelândia e também nos Estados Unidos e aparece em curva ascendente relativamente promissora no Brasil.

O elenco 

Antonia Thomas; Robert Sheehan; Lauren Socha; Nathan Stewart-Jarrett; Iwan Rheon. Destaque para Alex Reid, que incorpora a supervisora da turma. 

Rebeldes sem causa

Os cinco adolescente se encontram em um centro comunitário. Eles erraram e devem pagar por seus erros prestando serviços gratuitos para a comunidade, como apagar pichações, varrer ruas e pintar bancos e paredes públicas. A delinquência deles: roubar; atear fogo numa casa; traficar drogas; dirigir automóvel após ingerir álcool.

Durante o cumprimento da pena são surpreendidos por uma tempestade misteriosa e após a agitação da natureza descobrem que foram afetados por ela e mudaram. Cada um ganha um poder sobrenatural diferente: telepatia, invisibilidade, controle do tempo, controle de feromônio, e uma característica a ser descoberta por um deles apenas no sexto e último episódio da primeira temporada.

Conotações e simbologias religiosas? 

A tempestade elétrica lembra remotamente a passagem bíblica da queda de Lúcifer. As contestações contra a justiça divina, repletas de escárnios, é uma constante nos seis primeiros episódios e termina com a chegada de um grupo de jovens religiosos cuja líder é capaz de fazer lavagem cerebral em seus adeptos para convertê-los.

Conclusão

Como cristão evangélico, afirmo que poderes sobrenaturais só são interessantes e benéficos quando a origem é o Espírito Santo. Só Deus é capaz de proporcionar o bem-estar do ser humano.

A minha avaliação da mensagem embutida nesta produção inglesa me leva a dizer que o ajuste da alma de cada um de nós, seja jovem ou alguém amadurecido, é ter um encontro real com Jesus Cristo. Isso é possível se a pessoa quiser que aconteça.

E.A.G.

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Diário de blogueiro: banco, padaria, cinema e igreja



Durante a noite, uma das bênçãos que Deus me deu, com doze anos de idade, aproximou-se de mim e da minha esposa e disse que há uma semana os cinemas exibem Detona Ralph – longa metragem de animação produzido pela Disney em 3D - um filme que eu nem sabia que existia. É período de férias para a criançada brasileira, então após rápido diálogo com a esposa tratei de informar a criança que levaríamos ela para assistir na tarde do dia seguinte o filme que desejava ver. Efusiva manifestação de alegria infantil na sala de estar! Pedimos que telefonasse para uma companhia da sua faixa etária e convidasse para ir junto. Ela ligou e convidou-a, em seguida minha esposa conversou com a mãe da garotinha convidada. Tudo combinado entre os adultos. Outra festa, agora em casa e na casa do outro lado da linha telefônica! 

No dia seguinte, após publicar um artigo aqui no Belverede pela manhã, desliguei o computador, beijei a esposa com um “até logo” e fui buscar pães na padaria próxima de casa. Uma pequena caminhada de uns 150 metros. Antes do estabelecimento comercial precisava passar no banco e sacar dinheiro para o passeio e para cumprir obrigações mais importantes. A agência bancária está no mesmo quarteirão em que resido.

Os dias atuais tem sido maus, como o apóstolo Paulo descreveu muito bem em 2 Timóteo 3.1-5. É preciso vigiar e orar para livrar-se dos males, conforme ensinou Jesus em Mateus 6.13.  

Pisei na calçada do banco por volta das 9h30. Meus olhos correram 360 graus sem ostentação de exame em derredor:

1 - Não havia polícia e nem segurança presentes;
2- No lado externo, bem perto da porta do banco haviam algumas senhoras, com aproximadamente 65 anos, conversando, acompanhadas de uma garotinha;
3 - Dentro do banco, no salão dos caixas eletrônicos, dois clientes operavam as máquinas, um senhor com cerca de 40 anos e uma jovem aparentando uns 25; e diversas máquinas livres para uso;
4- Suspeição! Uma pessoa usando roupa de motoqueiro (macacão preto para tempos de chuva - mas o tempo não era chuvoso), capacete na cabeça levantado até a testa (era possível ver o rosto de pele branca), estava parado com seu corpo encostado na mesa posta aos clientes segurando alguns papéis no tamanho sulfite A4. Fiquei alerta quanto a ele.
Em movimentos rápidos, saquei meu cartão e o introduzi na máquina, digitei operação de saque, pus a mão para exame biométrico, digitei o valor pretendido e a senha. Fiquei entre o monitor e aquela pessoa suspeita, impedindo que visualizasse minha transação. Ao retirar o dinheiro, contei-o rapidamente e o coloquei na carteira. Ao me virar percebi ela estava bem próxima de mim. Com ar sereno olhei  nos olhos dela por cinco segundos, ela desviou seu olhar e voltou para a mesa central com a vista nos papéis.

Não senti medo algum. Sabia que era preciso fazer algo que surpreendesse aquela pessoa incógnita. Pensei rapidamente sobre o melhor modo de agir naquele instante, pois sei de casos de gentes que foram assaltadas saindo daquele mesmo lugar e me sentia como a próxima vítima. Saí do banco em passos largos e sem dar a entender que queria estar o mais longe dali o mais depressa possível. Atravessei a rua com o sinal aberto aos automóveis e fora da faixa de pedestres – havia grande movimentação de carros naquela hora.

Minha deslocação fora do convencional fez com que em poucos segundos estivesse caminhando no sentido contrário ao fluxo dos veículos. Assim do outro lado da rua, eu me mantinha em situação que dificultava a aproximação de quem estivesse sobre um motor.  

Andando rápido, olhei na direção da agência bancária e o sujeito suspeito estava no lado externo do banco, estático, com o capacete na mão direita. Continuei com passos rápidos e voltei a olhar, ele subia numa Yamaha XT 250. Entrei na padaria e olhei outra vez para trás e não mais o vi. Aquele estabelecimento não era o endereço que pensava em ir, mas me senti bem ao rodar a roleta de clientes, pegar a comanda de compras e estar dentro do recinto. 

Me dirigi ao balcão, a jovem funcionária saudou com um frio “bom dia”. Pedi oito pãezinhos franceses, ela os ensacou e eu peguei o pacote. “O que mais?” - , perguntou ela. Um croissante e dois sonhos. Assim que ela viu o embrulho na minha mão foi ríspida dizendo que ainda não havia feito a pesagem.  

Gosto do estabelecimento, gosto mesmo! Mas, me senti muito mal atendido pela funcionária que servia os pães. Puxa vida... Se ela acordou de uma noite mal dormida ou nem dormiu, o problema não deve ser "regurgitado" nos clientes! Pensei em reclamar com o gerente naquela hora, mas não fiz. Entreguei a comanda, ela digitou o código das minhas compras, fui ao caixa, paguei e voltei para casa. Ainda estava alerta quanto ao motoqueiro, que não avistei mais.

Em casa, tomei meu café com a esposa. Não falei das desventuras daquela manhã, pois queria que o dia fosse só de alegria para minha família. Depois do café assistimos três episódios de um seriado na televisão, enquanto minha esposa ia e vinha para perto do televisor, pois se aprontava para sair e malhar na academia. Antes dela sair, acordou a nossa criança para que fosse comigo buscar a criança que lhe faria companhia na sessão de cinema. 

Enquanto a mulher estava malhando, buscamos a outra criança e passamos na academia e os quatro retornamos juntos para casa.  

Escolhemos a sala de cinema do Shopping Center Lapa, região oeste de São Paulo. Detona Ralph é um filme engraçadinho. Acho que não terá bom êxito de bilheteria, mas preencheu o dia de férias das crianças. Dali, um giro pelo shopping, na lanchonete alguns hambúrgueres com refrigerantes e milk shake, uma atração de cinco minutos numa saleta que prometia algo em 5D (tela 3D interagindo com movimentos de poltronas afixadas em piso móvel e jatos pulverizadores de gotículas de água de cheiros). Uma loja, três peças de roupas novas. Volta ao lar doce lar, sãos e salvos, por volta de 17 horas. 

Fui descansar em minha sesta da tarde. A esposa levou as crianças à igreja e depois a nossa pequena e ilustre convidada de passeio foi pega na porta da igreja por seus pais.

“Regozijai-vos sempre no Senhor; outra vez digo, regozijai-vos”. – Filipenses 4.4.

 Obrigado, Senhor, por viver dias bons!  

E.A.G.

domingo, 6 de janeiro de 2013

EBD 2013 - 1º trimestre: Elias o tisbita

A lição nº 2 da revista Lições Bíblicas, comentada pelo Pr. José Gonçalves, professor de teologia, vice-presidente da Comissão de Apologética da CGADB, nos faz refletir que Deus usa pessoas simples para missões importantes.

Quem era Elias?

Além do profeta, existem outros três personagens bíblicos chamados Elias. O primeiro deles era sacerdote benjamita (1 Crônicas 8.27) . O segundo e o terceiro foram um sacerdote e uma pessoa leiga nas coisas religiosas, que se casaram com mulheres estrangeiras (Esdras 10.21, 26). 

Exceto a referência ao profeta em 1 Reis 17.1, que nos informa que Elias era tisbita, um dos moradores de Gileade, não há informação sobre seu passado, nem se quer os detalhes de seu chamado ministerial e informações sobre sua família. Ele aparece nas páginas das Escrituras Sagradas de maneira repentina e sem introdução pormenorizada.

O ministério de Elias pode ser descrito como determinado pelo Espírito Santo através de grandes ações impactantes. Ele é precursor dos profetas escritores, as suas mensagens antecipam os oráculos de Amós e Oséias, traz à memória dos israelitas a necessidade de adoração exclusiva ao Senhor e os padrões de retidão contidos no Código Mosaico. 

Comparações entre Moisés e Elias 

A vida de Elias é comparada em muitos aspectos com a de Moisés.  

No Antigo Testamento, o Monte Sinai também é conhecido como Monte Horebe. O episódio da passagem de Elias na região é bastante relevante e fortalece o paralelo entre ele e Moisés, que viveu no mesmo local experiências extraordinárias com Deus.  

Os ministérios de Moisés e de Elias foram marcados com a presença do fogo (Êxodo 13.21; 19.18; 24.17; Números 11.1; 16.35; 1 Reis 18.38; 2 Reis 1.10, 12).

O fim da jornada terrestre de Moisés é cercada de mistério, de igual modo existe uma aura misteriosa ao fim da caminhada de Elias (Deuteronômio 34.6; 2 Reis 2.11).

Elias recebeu o acompanhamento leal de Eliseu e por ele foi precedido, assim como Moisés teve como companheiro de jornada o amigo Josué, que o substituiu em seu ministério (Deuteronômio 34.9; Josué 4.14; 2 Reis 2.14).

Referências neotestamentárias

Malaquias profetizou que Deus enviaria Elias antes do grande e terrível Dia do Senhor (4.5, 6). Jesus Cristo esclareceu que essa profecia fazia referência à semelhança de ministerial entre Elias e João Batista, à maneira direta como ambos se comunicavam e à simplicidade como viviam e se vestiam (Mateus 11.14; 17.12).

Elias reapareceu em pessoa no monte da transfiguração e é citado por Jesus em Nazaré: Marcos 9.4; Lucas 4.25, 26.

Cartas apostólicas citam Elias: Romanos 11.2-4; Tiago 5.17-18.

E.A.G.

A morte do Pr. João Kolenda Lemos


Por Eliseu Antonio Gomes 

João Kolenda Lemos, nascido em 18 de Dezembro de 1922, partiu para descansar eternamente nos braços do Senhor na sexta-feira do dia 28 de Dezembro de 2012. às 15h05. No momento de sua ida ele estava em Pindamonhangaba - SP.

Apesar de ser homem de costumes simples, era profundo conhecedor das Escrituras Sagradas e cultura geral. Estudou Teologia no Central Bible College (CBC) em Springfield – Missouri (EUA) nos anos de 1946 a 1950.

Exerceu 71 anos de ministério pastoral nas Assembleias de Deus. Dedicou-se a obra missionária no Brasil por toda sua vida. Entrou para a história do movimento pentecostal brasileiro como uma das principais lideranças na área de ensino teológico. Em 1958, ao lado de sua esposa Ruth Doris Lemos, missionária norte americana, fundou o Instituto Bíblico das Assembleias de Deus (IBAD).

Kolenda trabalhou na Casa Publicadora das Assembleias de Deus (CPAD) no período de 1951 até 1955. Também cooperou com o missionário Lawrence Olson no início do programa de rádio Voz das Assembleias de Deus.

Kolenda estava viúvo, a esposa havia falecido em 2009. Deixou três filhos, oito netos e três bisnetos. 

Seus filhos estão envolvidos na obra de Deus. Mark Jonathan é pastor e junto com sua esposa Helba Galvão Lemos, é o atual diretor do IBAD; Rebekah Câmara, casada com o Pr. Samuel Câmara, é conferencista, produtora e apresentadora de tevê na Rede Boas Novas; e Rachel Santos, juntamente com seu marido Cláudio Rogério, são pastores na AD em Manaus e também apresentadores de programas de tevê pela RBN.

O velório de Kolenda ocorreu em 29 de Dezembro na sede da IBAD, em Pindamonhangaba (SP) a partir das 9 horas, seguido de um culto de celebração à vida às 14 e sepultamento de corpo às 16 no Cemitério Municipal de Pindamonhangaba.

sábado, 5 de janeiro de 2013

Produção da Record José do Egito estreia 30 de Janeiro

Divulgação
Bianca Rinaldi interpreta rainha egípcia
O portal da Rede Record de Televisão, o R7, anuncia a estreia da nova atração da emissora do Bispo Macedo, que vai de encontro ao horário nobre da sua principal oponente, a Rede Globo. Chama-se José de Egito.

A superprodução conta com os atores Ângelo Paes Leme, Caio Junqueira e as atrizes Bianca Rinaldi e Samara Filipo nos papéis centrais. A nova teledramaturgia foi dirigida por Alexandre Avancini e roteirizada por Vivian de Oliveira. Possui gravações externas realizadas no Chile, no deserto do Atacama, e também Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Tudo parece confirmar que a estratégia de oferecer aos telespectadores brasileiros temas bíblicos produz retorno a contento. É uma opção que agrada aos que assistem televisão aberta.

Desde Dezembro, às 21 horas, de segunda à sexta-feira, a Rede Record tem reexibido suas minisséries religiosas, sequencialmente: Ester, Sansão, Rei Davi. E após a reexibição de Sansão, que ainda está indo ao ar, exibirá José do Egito.

Segundo dados de colunistas especializados em televisão, as atrações deste estilo que a  Rede Record  produz possui grande potencial para incomodar muito a concorrência. 

E.A.G.

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

EBD 2013 - 1º trimestre: Elias e Eliseu e a apostasia no reino Israel

Por Eliseu Antonio Gomes

O nome Elias significa "o Senhor é Deus". E Eliseu, "Deus é salvação".

A fé que nos leva à salvação possui exatamente a sequência dos significados dos nomes desses profetas: é preciso crer e confessar que Jesus Cristo é o Senhor pois só no Senhor é possível ser salvo (Mateus 10.32; Atos 16.31; Filipenses 2.11).

Tanto Elias quanto Eliseu viveram após o reinado de Salomão, quando a nação de Israel estava dividida em dois reinos independentes. Judá ao sul e Israel ao norte. Ambas tiveram entre seus cidadãos homens levantados pelo Senhor para tratar de assuntos como justiça social, a necessidade do afastamento do pecado e da aproximação a Deus.

Naquela época, Deus havia instituído nos dois reinos as figuras dos profetas, dos sacerdotes e permitido a existência da monarquia como forma de governo administrativo. Quando os líderes e os governos desviavam-se dos propósitos divinos os profetas entravam em ação.

Os dias de Elias em Israel se passaram num período em que seu país ganhou fama devido a grande impiedade do rei Acabe e sua esposa Jezabel e desvios dos caminhos do Senhor por parte da maioria dos judeus.

A apostasia de Onri e Acabe

Onri (em hebraico, impetuoso) foi rei de Israel e pai de Acabe. Na esfera de poder neste mundo, foi um grande administrador, fundou Samaria e fez dela a capital de seu reino. No que tange à fé, exerceu um mau reinado e aplicou uma péssima instrução ao filho, que o precedeu no trono (1 Reis 16. 23-28).

Acabe (hebraico: irmão do pai, isto é, muito semelhante ao pai), governou no período de 874 e 853 a.C.. Ele é descrito como o monarca que mais irritou ao Senhor, e esta declaração é apresentada revelando que ele construiu um bosque (1 Reis 16.33). Não se trata da construção de um simples arvoredo, era a tentativa de misturar elementos de culto judaico com elementos de culto cananeu,  a criação de um ambiente de culto pagão preparado pelo rei, onde se encontrava troncos de árvores com imagens de esculturas, lugar em que o povo era incentivado a reunir-se para adorar a Baal e Asera (sugestão de leitura no rodapé), ou seja, Acabe institucionalizava a apostasia dos judeus, o governo de Acabe patrocinava a idolatria em Israel, induzia o povo de Deus a afastar-se dEle.

A apostasia na Igreja

O coração do crente cheio de dúvidas é lançado para todos os lados e nada receberá do Senhor. Nada! A consequência de ser um crente inconstante leva ao mesmo resultado que as ondas recebem do oceano. Grandes movimentos ondulatórios de águas são lançados às praias e quebram-se nos rochedos ou na areia. Ao ler a Bíblia Sagrada, é preciso ater-se aos detalhes. Tiago redigiu carta aos crentes, não foi aos incrédulos. Em sua missiva mencionou cristãos com ânimo inconstante: num momento seguem a Cristo e em outro seguem os instintos da carne. Vamos ao que está escrito pelo apóstolo: "Meus irmãos, tende grande gozo quando cairdes em várias tentações; sabendo que a prova da vossa fé opera a paciência. Tenha, porém, a paciência a sua obra perfeita, para que sejais perfeitos e completos, sem faltar em coisa alguma. E, se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente, e o não lança em rosto, e ser-lhe-á dada. Peça-a, porém, com fé, em nada duvidando; porque o que duvida é semelhante à onda do mar, que é levada pelo vento, e lançada de uma para outra parte. Não pense tal homem que receberá do Senhor alguma coisa. O homem de coração dobre é inconstante em todos os seus caminhos" - Tiago 1.2-8.

O apóstolo Paulo tratou do mesmo assunto, porém, focando crentes que estão em outro nível deplorável. Existem pessoas que em alguma parte do passado delas tiveram a condição de salvas e depois perderam a salvação que Deus lhes deu. A fé e a salvação não foram tirada delas. Ao desprezar por conta própria a fé e o dom da salvação, perderam a posição de salvas. Após a inconstância à fé elas decidiram por abandoná-la em definitivo. Paulo escreveu o seguinte: "Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios" - 1 Timóteo 4.1.

Apostatar é o mesmo que renunciar. Não é possível abandonar aquilo que nunca foi nosso. Paulo não afirmaria que alguns largariam a fé se em alguma fase da vida não a possuíram.

A fé genuína e a fé pagã

É uma pena ver cristãos entrando em seminários teológicos e ao concluírem seus cursos saírem de lá piores do que entraram - há casos de apostasia. Isto ocorre em algumas instituições de ensino que não prezam pela vida espiritual dos alunos. Que se multipliquem os teólogos entre nós, porém, que o conhecimento mais  importante seja enfatizado, que é o temor a Deus.

A palavra religião, tem raiz no termo latim religare (ligar outra vez). Tiago explicou como ocorre a religação com Deus - faça o bem aos necessitados e evite se sujar com o pecado: "A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo" - Tiago 1.2. Muita gente falha nesta lição. Pratica o bem e ao mesmo tempo não se importa em pecar, ou contaminado com o pecado faz o bem pensando que por meio da caridade se tornará limpo.

Na sociedade moderna, os religiosos que seguem as determinações bíblicas rigidamente são considerados fundamentalistas, fanáticos, retrógradas. E para esquivar-se dessa hostilidade, muitos que se apresentam como cristãos  praticam a religião proposta por Acabe - uma fé misturada. A filosofia da atualidade é: adore a Deus, mas não precisa seguir à risca os princípios bíblicos, relativize as propostas das Escrituras Sagradas. Adapte a Palavra de Deus a você, não permita que ela molde você.

Ao contrário de Jezabel, Acabe não teve iniciativa clara de matar profetas e nem de erradicar a religião judaica de Israel. Ele tentou misturar religiões. São muitos que hoje em dia desejam viver uma religião cristã cheia de misturas com diversos movimentos religiosos.

E isso nos leva a perguntar: como vai a sua fé? Quais são as bases de suas decisões diárias? Só a Bíblia Sagrada deve ser a nossa regra de fé e conduta (Salmo 119.109).

Conclusão

O objetivo de Deus não é fazer com que as almas se convertam em cristãos assembleianos, cristãos batistas, cristãos presbiterianos, arminianos ou calvinistas. Apenas deseja que as almas sejam seguidoras de Jesus Cristo. Você quer praticar seu cristianismo frequentando a Assembleia de Deus? Ótima opção! Batista? Muito bem... Mas, se fazendo presente nelas ou em outras denominações evangélicas, cuide-se para que a placa denominacional do ministério cristão que mais aprecia esteja sempre abaixo da sua adoração a Deus e a Jesus Cristo.

Equiparar  em importância o Evangelho de Jesus Cristo, sintetizado por Tiago como "a religião pura e imaculada", aos credos religiosos é o mesmo que viver uma situação similar à religiosidade proposta por Acabe. Que cada um de nós tenhamos o devido cuidado para não tratar dogmas e ortodoxias como deuses em nossa jornada de fé.

E.A.G.

__________

Artigo paralelo: O que é e o que não é pecado

Sobre a idolatria enfrentada por Elias, veja mais detalhes acessando o artigo Jeremias e o falso deus Baal

__________

Consultas:
Belverede - http://belverede.blogspot.com.br/2010/03/como-os-calvinistas-confrontam.html
Ensinador Cristão, nº 53, ano 14, 1º trimestre de 2013, Rio de Janeiro, CPAD
Lições Bíblicas - Mestre, José Gonçalves, 1º trimestre de 2013, Rio de Janeiro, CPAD
Pequena Enciclopedia Bíblica O.S. Boyer, 19ª edição, 1992, Minas Gerais, Editora Vida

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.