Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

terça-feira, 7 de agosto de 2012

EBD 2012: A divisão espiritual no lar

Artigo escrito para servir de subsídio aos estudantes da Bíblia Sagrada, aos que fazem uso da revista Lições Bíblicas, cujo tema é Vencendo as Aflições da Vida, com comentários de Eliezer de Lira e Silva, lecionada no terceiro trimestre de 2012. Porém, todo o conteúdo é abrangente, serve a toda alma que deseja se alimentar da Palavra de Senhor.

Quem prestigia este blog sabe que eu utilizo com frequência as seguintes referências bíblicas:

• Efésios 2.13-14: "Cristo Jesus ... ele é a nossa paz ...";

• João 4.27: "Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize." 

Costumo, também, relembrar que a raiz etimológica do termo "paz" na Bíblia Sagrada. Significa muito mais do que a ausência de guerras e brigas. O termo foi usado nas páginas do Novo Testamento (em grego: eirene) e Antigo Testamento (shalom), com o sentido de prosperidade no sentido mais profundo, que atinge a vida finaneira, a alma e o espírito. É o bem-estar físico, viver a vida com saúde, ter finanças equilibradas e bom relacionamento com Deus.


Não faz muito tempo que uma leitora interpelou a mim e comentou sobre a questão de a Bíblia Sagrada afirmar que Jesus é a nossa paz,  que Ele disse trazer a paz e entregá-la de uma maneira especial a nós e ao mesmo tempo afirmar que veio trazer espada para dentro dos lares.

"Não cuideis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer paz, mas espada; porque eu vim pôr em dissensão o homem contra seu pai, e a filha contra sua mãe, e a nora contra sua sogra; e assim os inimigos do homem serão os seus familiares. Quem ama o pai ou a mãe mais do que a mim não é digno de mim; e quem ama o filho ou a filha mais do que a mim não é digno de mim. E quem não toma a sua cruz, e não segue após mim, não é digno de mim." -  Mateus 10.34-38.

Esta declaração está muito clara. Trata da questão de quem amamos mais, se a Deus ou se aos nossos parentes mais próximos. Devemos amá-los, mas ao Senhor deve ser reservado o trono de nosso coração.


Se eu amar mais a mim mesmo, sou ególatra. Se eu amar mais ao meu cônjuge, sou idólatra. Devo amar ao próximo como a mim mesmo e a Deus sobre tudo e todos. "E Jesus respondeu-lhe: O primeiro de todos os mandamentos é: Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor. Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças; este é o primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Não há outro mandamento maior do que estes." -  Marcos 12.29-31.


Gostei desta observação contida na revista: Quando Deus criou o mundo declarou que tudo era bom (Gênesis 2.18). A única coisa que o Criador disse não ser boa era o fato de o homem viver só (Gênesis 2.18). Por isso fez para Adão uma adjuntora, Eva, formando assim a primeira família (Gênesis 2.22). Não faz parte do plano divino que o casal se divorcie (Mateus 5.31, 32; 19.3-9; Marcos 10.2-12).

O articulista da revista Lições Bíblicas usa muita clareza quando escreve que "o plano de Deus é que a família toda sirva a Cristo como Senhor e Salvador". É isso, mesmo. Quando um casal casa-se sendo marido e esposa descrentes e após a realização do matrimônio um deles se converte, não havendo resistência quanto à prática de fé por parte do não convertido, o dever do convertido é continuar casado - não divorciar-se -  e esforçar-se para dar bom testemunho dentro do lar, objetivando ganhar o (a) parceiro (a) para Cristo através do comportamento cristão exemplar na rotina familiar. Referências: 1 Coríntios 7.12, 13, 15.

E.A.G.

7 comentários:

SOLDADO CRISTÃO disse...

AMÉM!

_

Anônimo disse...

Gostaria de lhe perguntar:
Em 1980 namarava uma pessoa que engravidou casei-me com ela no civil não conhecia o Sr.jesus trai e fui traido e em 1991 o resultado foi separação tive uma filha deste relacionamento sofri muito mas mesmo sem Jesus segui em frente em 1994 conheci outra pessoa e me casei agora no civil e na catolica nem eu nem ela era crente tivemos dois filhos e em 1996 conheci a Jesus e ela nunca quiz seguir -me mas passamos por problemas serios de saude com nosso filho mais novo e ela acabou se batizando hoje sou pastor sou fiel a Deus e a ela mas ela nunca reconheceu meu ministerio duvida de mim na~aceita minha outra filha eu vivo com muitos problemas as vezes penso em abandonar o chamado e me separar e seguir fiel a Deus mas sem o ministerio se eu me separar nesta situação sem trair mas por escolher servir a cristo estou pecando? não poderei continuar como pastor? me responda biblicamente por favor.

Eliseu Antonio Gomes disse...

Caro Anônimo.

Ao realizar sua primeira e a segunda união conjugal, você escreveu que não era convertido. Este tempo, segundo as Escrituras Sagradas, é o tempo da ignorância com relação à fé em Cristo como seu Senhor e Salvador. Deus não leva em consideração esta época. Você já deve ter pedido perdão por errar e deve crer que está perdoado (1 Pedro 1.12-16).

Você é pai de uma garota que nos dias atuais já deve estar com um pouco mais de 21 anos de idade. E tem outros dois filhos, que ainda devem ser menores de idade. Portanto, tem responsabilidade civil e espiritual com eles.

O problema de casais, com filhos, pais em conflito no casamento e separados é bastante comum, porém, jamais poderemos dizer, à luz da Bíblia Sagrada, que isso é problema aceitável.

O Criador do casamento vê o conflito pela perspectiva de todos os corações dentro do relacionamento conjugal. Inclusive dos filhos, que sofrem demais com as brigas e afastamento de pai ou mãe.

Ao analisar sua situação, observe o que está escrito nas Escrituras. Não é da vontade de Deus que haja separação do homem e da mulher, casados, mas Ele permite que se separem por causa da dureza de coração do marido ou da esposa, nos casos de infidelidade conjugal. A outra hipótese de separação permitida por Deus é apenas a morte (Mateus 19.6-8; 10.5-9).

Agora, você afirma estar casado pela segunda vez, a segunda esposa e você estão convertidos e ambos têm dois filhos. Além disso, é um pastor evangélico.

Como pai e pastor, pense sempre no bem-estar das pessoas em volta de você. Primeiro na esposa e nos filhos e depois nas almas que o conhecem como líder espiritual.

Na condição de esposo, não se irrite contra a companheira e a ame tal qual Cristo amou a Igreja. Lembre-se, Jesus morreu em favor de todos os pecadores, releve os erros dela (Colossenses 3.19; Efésios 5.25).

Você diz que sua atual esposa tem problemas de relacionamento com a sua filha do primeiro casamento. Isso é compreensível... Busque sabedoria de Deus para administrar bem essa crise, esforce-se para respeitar os sentimentos da companheira e entender a dificuldade que ela tem sobre esta situação.

Como pai, o laço de paternidade deverá ser preservado, apesar de todos os pesares. É dever paterno transferir aos filhos tudo de bom que você tem e que você sabe, e mantê-los animados, principalmente na fé em Cristo. Veja: 2 Coríntios 12.14; Colossenses 3.21.

Sendo um pastor evangélico, precisa ter todo cuidado para não escandalizar as almas, querer e viver sua vida como exemplo de servo fiel a Deus. É preciso esforçar-se para tratar bem a todos; exercitar o amor, a fé e a consagração espiritual diariamente, (1 Timóteo 4.1).

Sua esposa é a pessoa mais próxima de você na face da terra. E você diz que ela não reconhece o seu ministério pastoral. Não exija tal reconhecimento. Está escrito no Novo Testamento: “Jesus lhes disse: ‘Só em sua própria terra, entre seus parentes e em sua própria casa, é que um profeta não tem honra’ " – Marcos 6.4 (NVI).

Enfim, sabemos que não é fácil ser um cristão. No meio de nossas dificuldades todos nós precisamos lembrar que Deus é fiel e justo, jamais permite que seus servos passem por lutas maiores do que possam suportar (Salmo 7.9; 1 Coríntios 10.13).

Abraço.

Eliseu Antonio Gomes
eliseu07redesocial@yahoo.com.br

http://www.paodoceuenergiaparaviver.blogspot.com disse...

AMÉM!
Infelizmente hoje todas as instituições estão falidas, claro, não podemos generalizar, e a primeira da lista é a família.
Deus conta com uma ferramenta chamada educação mas esta também já era!
Entretanto, cabe a educação, e principalmente aos educadores cristãos, restaurar, através da Palavra,não só a família, como todas as demais instituições.
Como sabemos que o fim vem, devemos continuar cumprindo com a nossa função de sermos sal da terra de luz do mundo.
Quando a família fale, tudo fale!
É de lá que sai os bons governantes e etc.
Sabemos que é da família, que sai os verdadeiros homens e mulheres capacitados para trabalhar e dirigir todas as demais instituições . Foi por isso que a família foi a primeira a ser atacada.
Vamos orar e trabalhar para a reabilitação da família e da educação, para pelo menos, termos a certeza de que estamos fazendo a nossa parte

Anônimo disse...

Amem ! faço dos comentários de Eliseu as minhas palvras
http://vemlogojesus.blogspot.com.br

Tatiana Vivendo os sonhos de Deus!!! disse...

olá boa tarde e a paz do Senhor muito bom esse texto,é claro que nem tudo é perfeito e dentro de um lar há sim desavença e desacordos, estamos em um mundo moderno mais temos que seguir a bíblia como firmamento de tudo o que acontece em nossas vidas e se chegar a ter uma separação temos que ver o porque disso e seguir em frente pois Jesus é a verdade.
Abraços....

Anônimo disse...

Olá, gostaria de lhe perguntar:
Tenho 22 anos e me casei com 20, não tenho filhos, namorei quase 5 anos antes de casar, mas analisando toda a minha situação vejo que me casei só por medo do pecado, e quando decedi me casar fiquei meio "cega" com o que estava acontecendo, desde antes de me casar a situação era essa e mesmo assim eu me casei, meu marido é grosso comigo me maltrata, e não tem nada haver comigo, acho que até por isso não nos damos bem, tudo nós discutimos, mas é tudo mesmo, e depois do casamento acho uma semana depois minha vida ja começou a virar um inferno, e ele sempre joga na minha cara, se não quiser arruma outra, e diversas outras formas de dizer para nos separarmos, por incrivel que pareça ele também é evangélico, eu sempre chorei, implorei falei que não era assim, orava, mas isso ja dura 2 anos, e parece que nada vai mudar, pq ele não tem essa vontade, como ele disse se eu quiser é pra eu arrumar outro. e agora eu não tenho mais força pra lutar quanto a isso, e parece que eu não sinto mais nada por ele, antes eu tinha até raiva, ódio, agora parece um vazio, eu não o odeio, mas também não o amo. Mas e agora o que eu faço? eu não sei to totalmente perdida!!!!

Obrigada!!!
Att, Anonima

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.