Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

terça-feira, 8 de março de 2011

Dia Internacional da Mulher - Reflexão sobre o papel de mãe, cristã evangélica e trabalhadora fora do lar

8 de março: Dia Internacional da Mulher. Neste data, a minha proposta não é descrever Deus, o que é o ser humano, suas qualidades e limitações e nem como o homem e a mulher foram feitos segundo à imagem e semelhança do Criador. Nestas linhas breves, reflito sobre a mítica história de Adão e Eva, e a etimologia de seus nomes. Por quê? Porque na Bíblia Sagrada os nomes representam muito mais do que a distinção de uma pessoa da outra, traduz sua missão, o seu papel existencial neste mundo.

A definição da vida

Nas escolas, estudando Biologia, nos é informado que vida é uma palavra originada do latim (vita), pode ser entendida como o conjunto de características que mantém os seres em constante atividade. O ser humano nasce, cresce, reproduz-se, envelhece e morre. Nascimento, crescimento, reprodução, envelhecimento e morte constituem o ciclo vital, que é uma característica geral dos seres vivos.

Na Bíblia Sagrada, vemos que o Criador formou o ser humano, gênero masculino, a partir do pó da terra e soprou em seu nariz e desse sopro o ser inanimado se transformou em ser vivente. E após isso, de sua costela criou o gênero feminino. A mulher é introduzida na cultura hebraica como auxiliadora do homem, como sua companheira (Gênesis 2.20). Mulher: no hebraico, é “ 'ishshã”, termo em paralelo com 'ïsh (varão).O termo correlato em grego é "gin", "gyn", "gyne": fêmea, mulher, feminino.

Eruditos explicam que o nome Adão (hebraico: 'ãdhãm) significa humanidade, e Eva é derivado de hawwã, que significa “ser que vive”, termo traduzido como “ zoe” (vida) na Septuaginta em Gênesis 3.20.

A religião e a feminilidade

Existe relação entre a saúde da mulher com a amamentação.

Os médicos recomendam que a amamentação seja feita até os seis meses de idade do bebê.

A partir de 1940, a amamentação entrou em declínio e as mães passaram a usar mais mamadeiras e chupetas. Entre as causas desse declíno está o fato de que cada vez mais mulheres passaram a trabalhar, não havendo tempo para ou condições para amamentar. Além disso, a indústria alimentícia passou a produzir leites especiais para bebês, o que parecia mais prático para a mãe e mais saudável para a criança.

Entretanto, não há alimento mais completo para um bebê do que o leite materno. A queda no índice de amamentação coincidiu com o aumento na taxa de mortalidade infantil desde aquela data.

Os especialistas recomendam que o leite seja o alimento exclusivo do bebê até os seis meses de vida e só depois desse período é que deve oferecer água, chás e alimentos.

O leite materno mata a sede, pois é constituído por cerca de 80% de água, e nutre pois apresenta todos os nutrientes que o bebê precisa (carboidratos, lipídios e proteínas). E, ainda, contém anticorpos, fato importante se considerarmos que até os seis meses o sistema imunitáqrio da criança é pouco desenvolvido. Além disso, está comprovado que a amamentação evita infecções e benefia a disposição correta dos dentes.

Em relação às mães, a amamentação está relacionada com menores chances de desenvolver osteoporose, anemia, câncer de mama e ovário, além de ser alimentação econômica e prática. Também, a amamentação é o método natural da contracepção, impede uma nova gravidez com quase 100% de segurança por cerca de seis meses. Os picos de prolactina e de estrogeno estão envolvidos com esses benefícios.

A religião e o feminismo

Os principais pontos no movimento feminista são: o aumento da consciência pelos quais pequenos grupos avaliam seus papéis e posições na sociedade, campanhas públicas sobre assuntos como o aborto, igualdade de pagamento e oportunidades no mercado de trabalho, cuidado com crianças, pornografia e violência doméstica contra mulheres; e a disciplina acadêmica de estudo da mulher e da cultura.

Os grupos de mulheres integrados ao movimento feminista nos países em desenvolvimento provêm em geral das classes com mais acesso à educação.

No século 21, as mulheres ainda sofrem maior grau de desigualdades. Sua participação no mercado de trabalho e sua taxa de instrução tendem a ser menores, e taxas de fertilidade e de mortalidade durante a gravidez ou parto são maiores. Menor oportunidade de acesso à educação somada à influência de tradições sociais e religiosas que colocam em posição inferior a mulher e seu trabalho são responsáveis pelo limitado papel da mulher na vida política, econômica e pública do país. As que estão no mercado de trabalho tendem a ocupar posições de menor remuneração e que exigem menos especialização, enquanto a carga de trabalho, em muitos casos, inclui o cuidado com a família. Nas sociedades árabes islâmicas, as mulheres vêm tantando melhorar suas condições opondo-se aos códigos de afastamento, e à mutilação genital. Na áfrica, grupos apóiam as mulheres agricultoras, que produzem cerca de 71% dos alimentos do continente, dando-lhes maior acesso aos conhecimentos tecnológicos.

Concluindo

Nas últimas décadas, a mulher brasileira tem alcançado muitas conquistas importantes. Desde a Constituição de 1988, ela está livre da exigência legal, absurda, de precisar pedir autorização ao marido para trabalhar fora de casa. E hoje, sendo parte da maioria da população, maioria do eleitorado, maioria com curso superior completo, e apesar de haver uma representante na presidência da república, durante o período de Carnaval milhares de mulheres desfilam semi-nuas pelas principais avenidas dos mais importantes estados do Brasil, como parte de um grande espetáculo, um negócio que gera milhões de reais. O que nos faz constatar que na sociedade brasileira a filosofia machista ainda manda, está impregnada até às estranhas do Brasil. A figura feminina ainda está esteriotipada entre nós neste país.

Tanto homens quanto mulheres precisam entender que a missão que o Criador deu a Eva, lá no jardim do Éden, não é missão de subserviência, porque ao casar, o homem deve tratá-la com amor sacrificial, amá-la como Cristo amou a Igreja e se entregou por ela na cruz. O homem cristão, na condição de marido, deve amar a esposa como Cristo amou a Igreja ao ponto de morrer por ela (Efésios 5.25).

Embora ao longo dos séculos as religiões trataram as mulheres com injustiça, vemos que o Criador incumbiu a elas uma missão sem-igual. Da mulher ('ishshã), surgiu a vida. De uma mulher, Maria, nasceu  Jesus Cristo, que se definiu como o Caminho, a Verdade e a Vida (João 14.6), o único ser vivente capaz de proporcionar à humanidade o futuro ao lado de Deus, lá no céu.

Jesus Cristo nasceu como gênero masculino, mas veio a este mundo apenas com a participação direta do gênero feminino.

E.A.G.

Nenhum comentário:

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.